Não é novidade que a aquisição de um imóvel exige decisões importantes e muito planejamento financeiro, mas você já pensou em qual financiamento imobiliário é melhor para você? Saber analisar as opções, conhecer todas as taxas, juros e condições são fundamentais para determinar a melhor opção ao seu caso. Além disso, o valor do imóvel, sua renda e o dinheiro que tiver disponível para investir no imóvel influenciarão no momento da compra.

Outro ponto importante que envolve o financiamento bancário é o sistema de amortização aplicado na quitação das dívidas. Portanto, dependendo da instituição financeira, a amortização pode variar, assim como para cada financiamento. É necessário verificar como esses fatores são aplicados e de qual maneira influenciam no seu objetivo.

Quais são os tipos de financiamento imobiliário?

É melhor conhecer todas as possibilidades, para fazer o melhor investimento possível. Além disso, conforme a instituição financeira, podem existir diferenças entre os tipos de financiamentos imobiliários. 

Além disso, para cada tipo de financiamento é aplicada uma amortização para quitar as dívidas. Desse modo, é necessário prestar atenção em como a instituição financeira aplica sobre o financiamento. Então, existem 3 tipos de amortização, sendo eles:

  • Tabela Price;
  • Sistema de Amortização Crescente (Sacre);
  • Sistema de Amortização Constante (SAC).

Ao conhecer todas essas condições deste tipo de financiamento imobiliário, você poderá determinar a melhor opção para o seu perfil e encontrar as melhores taxas e condições de pagamento.

Sistema Financeiro de Habitação (SFH): Neste tipo de financiamento imobiliário são usados recursos de contas poupanças e do FGTS para que seja possível a liberação de crédito às pessoas que desejam comprar imóveis, ou construir. Portanto, é através da lei nº 4.380 de 1964, que a maioria dos financiamentos imobiliários do país são regidos.

Com isso, esse sistema foi desenvolvido para ajudar o mercado imobiliário. Dessa forma, muitos brasileiros, que antes não conseguiam financiar um imóvel,agora tem mais facilidade em aprovar o financiamento. Sendo assim, conforme as características desse financiamento, no máximo 80% do valor total do imóvel será financiado, incluindo as despesas assessoriais.

Este tipo de financiamento imobiliário: O SFH determina as seguintes características:

  • Custo Efetivo Máximo (CEM): não deve ser maior do que 12% ao ano;
  • Valor da avaliação total do bem: não pode ser superior a R$ 1,5 milhão;
  • Custo Efetivo Total (CET): tem incluso alíquotas e seguros (morte, DFI e MIP).

Dessa maneira, para que seja possível contratar esse tipo de financiamento imobiliário, não pode haver outro em aberto. Além disso, é necessário ter o correspondente a 10% do valor total do imóvel para ser possível usar o FGTS como abatimento no valor do imóvel.

Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI): E se a transação não se encaixar nas características do SFH? Então deverá ser usado o SFI. Além de suprir as demandas onde o SFH não se encaixa, também é usado pelos investidores do setor imobiliário. Dessa forma, imóveis com valores altos se enquadram nesse tipo de financiamento imobiliário.

Em grandes centros urbanos esse sistema é muito usado, já que existem imóveis com valor mais elevado. Desse modo, com o SFI as pessoas podem comprar casas ou apartamentos sem grandes burocracias.

Portanto, é possível obter melhores taxas, já que se consegue negociar com a instituição financeira. Entretanto, não é possível usar o FGTS para ajudar a quitar o valor do imóvel.

Minha Casa Minha Vida: Programa habitacional criado com o intuito de viabilizar a compra de imóveis para os cidadãos de baixa renda. Sendo assim, tem sido possível diminuir o déficit habitacional no Brasil. Dessa forma, no Minha Casa Minha Vida, a população possui condições especiais que possibilitam a compra da casa própria.

Tipos de amortização

A amortização do financiamento imobiliário é definida conforme cada instituição financeira. Dessa forma, para cada tipo é necessário verificar a amortização aplicada. Então, conheça agora os tipos de amortização para o financiamento imobiliário:

Tabela Price: Não muito usado no Brasil, a Tabela Price é mais aplicada no exterior. Dessa forma, nele se tem parcelas fixas, na qual os juros são decrescentes e a amortização é crescente. Então, nas primeiras parcelas a maior parte dos pagamentos serão os juros.

Assim, conforme forem sendo pagas as parcelas, os juros irão diminuindo. Já que os juros são cobrados conforme o montante que ainda se deve ao banco, a cada mês reduz, afinal, mais uma parcela é paga. Dessa forma, os juros vão sendo amortizados nos valores de cada parcela.

Sistema de Amortização Crescente (Sacre): Combinando a tabela Price com o SAC, temos o Sacre. Sendo assim, as parcelas têm valor crescente até uma quantidade determinada, e a partir daí, até o fim, começam a diminuir. Assim, as amortizações ocorrem conforme o pagamento das parcelas, o que consequentemente faz diminuir os juros.

Sistema de Amortização Constante (SAC): Conforme cada parcela vai sendo paga e como os juros são calculados sobre o valor devedor, com o passar do tempo irá diminuindo o valor das parcelas. Dessa forma, ocorre uma diminuição do valor a ser pago com juros. Assim, a taxa de juros diminui enquanto a amortização é fixa.

Agora que você já sabe quais as principais maneiras de financiar seu imóvel, entre em contato com a Viva o Bairro. Estamos ansiosos para ajudar na realização do seu sonho.